17 de mar de 2014

2

Parque Nacional do Iguazú: o lado dos hermanos também é lindo!


Não visitar o lado argentino das cataratas somente pode ser justificado se você  ficar apenas um dia em Foz do Iguaçu, pois a vista que se tem  da "Garganta do Diabo" é simplesmente divina! De lá você tem a noção exata da magnitude, da força e beleza do lugar, tornando o passeio completo.

Como chegar ao lado argentino das cataratas?

Sem sombra de dúvida, a melhor forma de se chegar até lá é contratando um transfer, e te explico porquê.

Você precisará pegar dois ônibus, um até Puerto Iguazú, no terminal de transporte urbano (TTU), descer no posto da polícia federal para fazer imigração ( levar identidade em bom estado), depois seguir até o terminal de Puerto Iguazú e pegar, então, o ônibus para as cataratas.  Depois de ler vários relatos, achei que ficaria muito cansativo com uma criança e com uma pessoa com dificuldade para andar. Li algumas pessoas contando que demoraram 2 horas e meia  para fazer todo o percurso. Nós fomos com a Loumar Turismo, demoramos exatos 30 minutos e não precisamos nem sair da van para fazer a imigração. Ponto para o conforto e conveniência.

Antes de chegar ao parque, preste atenção nesses detalhes: o parque só aceita pagamento em pesos argentinos, não aceita real, dólar ou cartão de crédito/débito. Então passe antes em alguma casa de câmbio e troque seus reais. Eles estão vivendo em que época?

Para saber  os valores dos ingressos para o parque, clique aqui. Para voltar ao parque uma segunda vez, em dias consecutivos, você ganha um desconto de 50%, basta apresentar o ticket na saída do parque.

No lado argentino, se quiser fazer todas as trilhas já disponíveis no valor do ingresso, prepare-se para caminhar muito. Se estiver com crianças pequenas, idosos ou com pessoas com alguma dificuldade de locomoção, considere fazer somente a trilha para a "Garganta do Diabo", que já  é bem cansativa e,  ao contrário do lado brasileiro, é feita praticamente toda debaixo de sol (não esquecer protetor solar).

 E o transporte dentro do parque?

A organização que se vê do lado brasileiro não se identifica no lado dos hermanos. O meio de transporte que nos leva às estações é um simpático trem (tren ecológico de la selva), mas que só sai a cada 30 minutos, o que ocasiona bastante fila.

O primeiro trem sai às 8:30 da estação central em direção a "Garganta do Diabo" e o último  às 16:00. Da estação Garganta do Diabo para a central (caminho de volta) o derradeiro trem sai às 17:30.

Chegando ao parque, compre seu ingressos e siga para a estação central de onde partem os trens.
No caminho, existem lanchonetes, banheiros, lojas de lembranças, uma feira com artesanato indígena, uma sorveteria Freddo (o de doce de leite é o melhor), um quiosque onde você pode pegar o mapa do parque, desconto para o restaurante La Selva e marcar seus passeios; além do centro de visitantes Yvyrá Retá, onde você pode conhecer um pouco mais sobre o ambiente em que as cataratas estão inseridas, a diversidade da fauna e flora, as culturas que já habitaram a região e os esforços para conservar tudo isso.

Caminho para a estação central:







A primeira parada é na estação das cataratas, onde é possivel fazer as trilhas  do circuito superior (650m) e inferior (1700m).

O circuito superior (650 m): tranquilo, feito todo no plano, em passarelas de ferro, com vistas para alguns saltos que não podem ser vistos do lado brasileiro, como o salto San Martin, e com as vistas mais impressionantes dos dois lados do parque; é de chorar!

Vejam as fotos do circuito superior:





Circuito inferior (1700 m): dificuldade média, fizemos apenas uma parte, pois ficamos com medo de não dar tempo de pegar o último trem e, vamos falar a verdade, o cansaço bateu mesmo.

O circuito inferior não é aconselhável ser feito com crianças pequenas, não dá para levar carrinhos, nem por pessoas com alguma dificuldade de locomoção, já que possui muitos degraus. Para descer, todo santo ajuda, mas pra subir é que são elas!

Na estação das cataratas, você encontra banheiros e lanchonete, vejam:


Chegando na estação das cataratas, se você deseja seguir para a estação "Garganta do diabo", deve descer do trem e esperar outro  para seguir viagem, os dois trechos são bem rápidos, mas a espera pelo trem poderia ser bem menor.

Na estação "Garganta do diabo" também existem banheiros e lanchonete. Nós fizemos um pequeno lanche, com empanadas (muito boas) e suco de laranja. Logo à frente está a passarela, que te leva a um dos saltos mais incríveis de se ver pela força e quantidade de água que exibe. A passarela tem cerca de 1100 m , e a trilha é feita quase totalmente sob o sol (levar protetor solar, repelente e água).

Prepare-se para ver um show da natureza, nossos hermanos fizeram a passarela praticamente dentro da "Garganta do diabo", você fica maravilhado com tudo aquilo bem sob seus olhos e pergunta: como assim tá faltando água no mundo? Brincadeiras à parte, é a natureza em estado bruto, onde você percebe a magnitude dela e a pequenês da espécie humana.

Molhe-se bastante com o spray d'água formado pelas quedas, admire a grandeza do espetáculo e saia de lá sentindo-se enormemente grato por ter essa oportunidade de conhecer e morar em um país com paisagens tão belas!



Durante a caminhada pela passarela, ainda é possivel avistar muitas espécies de aves e borboletas, dando seus pequenos shows aos nossos olhos.

A criançada se diverte!

Na volta, resolvemos levar o Isaac para almoçar no restaurante "La Selva", dentro do parque mesmo, antes da estação central. A comida é ruim, mal preparada, mal apresentada, a carne estava passada, gordurosa, além de ser cara; enfim, prefira as lanchonetes  presentes nas duas estações (Cataratas e "Garganta do diabo") que servem ótimas empanadas.


Além desses passeios que fizemos, muitos outros são oferecidos, como o passeio a Isla San Martin (estava inoperante quando fomos), em que a vista deve ser muito boa, pois a "ilha" está no centro das cataratas. Possui trilhas consideradas de média dificuldade.

Outros passeios são pagos à parte e  devem ser contratados na chegada ao parque, no centro de visitantes, no quiosque que dá acesso ao parque ou por uma agência de viagens: Gran Aventura (versão argentina do Macuco Safári: um passeio pelo rio Iguaçu com direito a banho nas cataratas), vários safáris pela mata, alguns a pé e outros em  carros 4x4;  passeios ecológicos, passeio da lua cheia e até banho em cachoeiras.

Enfim, a visita aos dois lados das cataratas torna o passeio perfeito e um dos melhores que já fizemos aqui no Brasil. Considero essa viagem imperdível para quem gosta de viajar em família, aprecia a natureza e faz questão de mostrar o país para seu filhote.

No próximo post, falaremos sobre o city tour, a noite italiana, e Itaipu Binacional, ambos os passeios em Foz do Iguaçu.

Horários de funcionamento do parque: todos os dias das 8:00 às 18:00 horas.

Site do Parque: Parque Nacional do Iguazú
Endereço:  Victoria Aguirre, 66 - Puerto Iguazú - Misiones
Tel: 54 3757 420722 / 423252 / 420382
Email: iguazu@apn.gov.ar


Patricia Tayão.
Fotos: Eduardo Freitas.

2 comentários:

  1. Olá Patrícia!Moro em Foz do Iguaçu e sou guia de turismo na tríplice fronteira , adorei suas matérias da cidade e região.Parabéns!!! Você não se interessou em fazer o passeio a noite na Argentina?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Janaina, fizemos sim o passeio a noite, fomos a Puerto Iguazu, jantamos no El Quincho del Tio Querido e na feirinha. Contamos nesse post:
      http://www.viajarhei.com/2014/03/passeios-em-foz-do-iguacu.html
      Espero retornar em breve!

      Excluir