Booking.com

domingo, março 20

Relato de viagem a João Pessoa, na Paraíba

Praia do Coqueirinho - Litoral Sul de João Pessoa.
Recentemente, meus sogros estiveram em João Pessoa, na Paraíba. Pedi então, para que escrevessem algumas dicas de passeios na cidade para o Viajar hei. Seguem as dicas do casal Freitas...

Chegamos sábado, e tratamos logo de dar início aos trabalhos. Afinal, tínhamos que otimizar a relação lazer/R$. Após o almoço, contratamos um passeio, que dividirei em duas etapas, depois de um preâmbulo sobre a cidade. A recepção do Hotel Littoral Tambaú Flat, onde nos hospedamos, se encarregou de providenciar condutores para isso. Bom serviço, e os preços não foram abusivos.

A cidade de João Pessoa.



A parte onde fiquei hospedado, bem na divisa entre Cabo Branco e Tambaú , é moderna e de alto poder aquisitivo. Ruas largas, prédios modernos, muitos restaurantes e bares, além dos quiosques na praia. Muita música ao vivo, de todos os estilos. 

Em frente ao famoso Tropical Tambaú – aquele redondo – há uma espécie de “praça da alimentação” aberta onde predominam as comidas típicas do lugar. No sábado à noite a orla fica lotada, parece que todos se reúnem lá, turistas e locais. Grande muvuca. E há três “centrais” de vendas de artesanato local.

Algumas das fotos apresentadas foram tiradas do topo do hotel em que fiquei, onde fica a piscina. As demais, obviamente, na rua.

Na foto onde aparece o lema “EU AMO JAMPA” – no lugar do amo está um coração, mas não sei como colocar isso no texto, afinal ninguém é perfeito – há uma ponta, um “dedo” apontando para o mar. Para a África, melhor dizendo. É o Cabo Branco, com a Ponta Seixas, à qual me referirei no momento oportuno.

Já reservou hotel para a próxima viagem? Veja opções no Booking.com - o maior site de reservas do mundo. 


Não poderia deixar de mencionar que a cidade tem uma reserva de mata atlântica dentro dela, e que é internacionalmente considerada uma das cidades mais arborizadas do mundo.


O hotel se situa na avenida que é a “divisa” entre Tambaú e Cabo Branco, e que termina na Orla. É um ponto bem central, e com ponto de taxi na porta. Está a duzentos metros da praia. Tem farmácias, mercado e padarias próximas. E um restaurante também.

Sendo um “flat”, tem aposentos bem grandes, sendo quarto, sala, cozinha e banheiro. Calculei em sessenta metros quadrados, aproximadamente. Um latifúndio, quando comparado com os hotéis comuns que conheço. Muito confortável, nada claustrofóbico como muitos hotéis por aí.


O edifício é retangular, e é “ôco” no meio, pois é cercado por corredores. Há uma cascata de uma planta chamada jiboia – nunca vi daquele comprimento, dez andares! - circundando todos os corredores de cima a baixo e dá um toque muito bonito ao hall interno. 



O hotel tem restaurante, terceirizado, onde se pode comer bem, mas sem sofisticação e refinamentos exagerados, e onde é servido o café da manhã.

No último andar ficam a piscina e a sauna, e de lá se descortinam belas vistas da cidade, particularmente das praias e do Cabo Branco.

Voltemos ao primeiro dia, e seus passeios.

Ponta Seixas:

Fica no Cabo Branco, e é o ponto extremo oriental das Américas (não considerando Fernando de Noronha, território insular). Tinha essa curiosidade de conhecer um de meus problemas de prova Geografia do curso primário – vixe, como sou velho!


No local fica um farol com formato estilizado de sisal e um parquinho, chamado Bosque dos Sonhos. Segundo meu consultor para assuntos marítimos, o farol tem mais função histórica e afetiva, os navegantes profissionais usam orientação por GPS. Novos tempos.


Próximo fica um conjunto chamado Estação Cabo Branco de Cultura e Arte, projeto de Niemeyer. Interessante, mas não era nosso objetivo no momento e passamos ao largo. Queria o Bolero. Bolero de Ravel na Praia do Jacaré.

Parênteses: a praia do Jacaré fica no rio Paraíba, em Cabedelo, próxima a João Pessoa. Fecha parênteses.

Satisfeita minha curiosidade escolar, fomos à praia do Jacaré – e não há praia nem jacaré. O nome se originou quando a comunicação com o resto do país se dava pelo CAN – Correio Aéreo Nacional. Tempos heróicos. Os hidroaviões Catalina pousavam no rio Paraíba – não confundir com o homônimo do Sul, que atravessa São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro. Esses aviões tinham a figura de um jacaré pintada na fuselagem, daí o nome. Os pescadores gritavam: “sai do rio que lá vem o jacaré!”. “Se non é vero é bene trovato”...

Embarcamos num catamarã lotado e passeamos pelo rio, esperando o show do Jurandy do Sax. E valeu a pena. Por do sol fantástico, e com Bolero de Ravel de fundo musical! E ainda teve show de uma moça chamada Belle Soares, que toca tanto violino clássico quanto forró, quadrilha, Ave Maria, etc. E ainda canta. E bem!





No Catamarã rolou de Bolero de Ravel a forró e quadrilha, com direito à presença de Lampião e Maria Bonita, devidamente caracterizados.

Uma curiosidade: Jurandy está no Guiness, mais de 5600 apresentações. Acho que ele deve sonhar todo dia com o Bolero. E os barqueiros também deveriam estar no livro: já ouviram o Bolero milhares de vezes. Talvez já conheçam cada semibreve, colcheia, semifusa...

Foram tantas emoções - aliás, o Jurandy tocou isso lá - que ficamos cansados. Jantamos e fomos bater perna pela orla, para descansar (?) um pouco. E comer o pior bolinho de bacalhau da minha vida. Mas o peixe valeu e a Bohemia também, estavam ótimos!

Segundo dia:

Relaxamos na praia de Cabo Branco. Mar relativamente calmo, água quentinha! Ah, o mar do Nordeste! Não gela o pé. Quem tem que ser gelada é a cerveja! Ou a água de coco.

O conjunto de praias de João Pessoa tem cerca de 24 quilômetros. As principais são Cabo Branco, Tambaú e Manaíra, que formam uma orla contínua e compriiiida como um domingo com chuva!

A areia é quase grossa, mas diluída na água há uma areia fininha, quase um pó, o que dá ao mar um verde claro com um tom de “areia”. Mas a água é limpa, segundo me informaram. E a areia diluída na água se deve ao fato de o caimento do terreno ser suave, o mar profundo fica longe, lá para os recifes, mas não dá para abusar. Melhor ficar pulando ondas, é um bom exercício. Depois as pernas doem um pouco, mas passa.

 Havia muitos sargaços. Barracas e cadeiras são cobradas, logicamente. Mas a “breja” é bem gelada, e o coco também.

Depois do almoço, um descanso, finalmente, e então fomos flanar pela orla, observando as particularidades locais.

Já reservou hotel para a próxima viagem? Veja opções no Booking.com - o maior site de reservas do mundo. 

Terceiro dia - Litoral sul:

Praia de Gramamme.  

Fomos conhecer as praias do sul. A primeira visitada foi Gramamme – nome estranho, mas é muito bonita. Fica na boca do rio de mesmo nome. O rio e o mar formam uma lagoa grande, uma imensa “banheira”, rasa,  limitada por uma  restinga,  onde a população toda vai se banhar, segundo o guia do passeio. O único lugar desaconselhável é a saída do rio, onde se forma forte corrente, de acordo com as marés. O ponto fraco é a infra-estrutura, que achei ruim. E, fora da lagoa, o mar é bravo. Banho lá é desaconselhável. Eu estou fora. À direita começam as belas falésias.




Praia do Amor.  

Não sei por que o guia cismou de nos levar à Praia do Amor. Uma pedreira só, sem possibilidades de se entrar n’água. Aliás, nem na areia, era uma pedreira só, mesmo. Essa eu passaria bem sem ter ido. E o guia nem estava ganhando por hora! O pessoal cisma de tirar fotos debaixo de um arco formado pelas pedras. Como é baixo, fica-se numa posição no mínimo suspeita, e desconfortável. Envolve Napoleão e coisa e tal. Talvez venha daí o nome de Praia do Amor... mas eu tô fora!

Praia de Tambaba.  

 A segunda praia foi a de Tambaba. Aí a coisa já foi bem melhor. Ponto para o guia. O local é bonito, e, apesar de haver muitas pedras, elas formam agradáveis piscinas, onde os “medrosos” podem ficar em segurança, usufruindo do mar, do papo e da cerveja.



Os corajosos podem se arriscar a virar picadinho, estejam à vontade, mas não reclamem depois.


Já antes de se chegar à mesma há um mirante – que proporciona bela visão da costa do Conde, onde a praia se situa. Vêem-se as belas falésias coloridas, muito bonitas.


Essa praia tem uma particularidade: nela se encontra um segmento que é a praia dos nudistas. A área é controlada e regulamentada, com acesso por uma entrada vigiada. Lá os naturistas podem ficar à vontade em trajes de Adão, como se dizia antigamente. Hoje o Adão foi demitido, não se fala mais assim. E homem não entra sozinho. Lógico.

Nós preferimos ficar na praia com roupas mesmo, exceto minha esposa, que não pode ver uma banheirinha que vai logo mergulhando... até o joelho. Colocou-se em trajes de banho e foi desfrutar da água quentinha. Depois caiu uma chuvazinha leve e passageira. Não atrapalhou.

Nessa praia há um coqueiro no topo das pedras. Não sei como ele sobreviveu lá. Essa praia é que devia se chamar de Coqueirinho! Fiquei imaginando como ele foi parar lá em cima, pois deve ter sido difícil alguém subir lá para plantá-lo. Provavelmente alguma onda forte o jogou lá.


Praia do Coqueirinho.

Aí é que o negócio ficou bom mesmo. A praia é muito bonita, com belo visual a partir de um mirante. Desse mirante também se vêem as falésias e o belo mar.




Na praia há boa infra-estrutura, com restaurantes (quiosques grandes), banheiro e deliciosa comida. Carne de sol com macaxeira e  gostosa gelada, eita coisa boa!

A praia tem dois segmentos, divididos por pedras. Num deles, calmo, nós ficamos por um bom tempo, até o fim do passeio, curtindo banho, papo e visual. À noite, para não variar, orla de Tambaú e suas curiosidades.


Quarto dia.

Dedicamos esse dia ao inescapável city tour. Contratamos com a Luck Receptivo, que nos levou pela cidade, começando por onde? Ponta Seixas. Ficamos na sombra aguardando e tomando uma água de coco, que ninguém é de ferro e o dia estava “uma brasa”. Depois o ônibus fez um “arrudeio” e fomos direto para o centro da cidade, que é igual a qualquer outro. Mas vimos alguns locais interessantes, prédios históricos, igrejas. Valeu.



Um desses prédios históricos era o Hotel Globo. Foi o primeiro hotel luxuoso da cidade, e tinha como seus itens diferenciais banheiro privativo e telefone de manivela. Um luxo só...

Duas igrejas merecem destaque: a do Carmo e a de Santo Antônio, anexa ao antigo convento Franciscano, hoje museu, onde paramos para uma visita. Durante a mesma minhas pilhas da máquina cismaram de descarregar. Uma lástima. Só peguei as fotos externas.



Segundo o guia, João Pessoa foi fundada diferentemente das demais cidades do litoral. Como os portugueses não conseguiram chegar à praia por causa dos recifes, eles contornaram e entraram pela boca do rio Paraíba, navegaram  por ele e foram fundar a cidade entre o rio Sanhauá e uma lagoa, hoje Parque Sólon de Lucena. Só no final do século dezoito ela começou a caminhar para a praia, e só no século vinte chegou lá. Viagem demorada, acho que foram a pé. Vou conferir no “titio” Google.
Depois disso, almoço, mais do que na hora! E retorno à base.

Quinto dia.

Amanheceu com um formidável toró, vento forte, chovendo na horizontal. De castigo no hotel, descanso para as pernas. Até almoçamos no restaurante local. Pé na rua só à tarde. Diazinho chato!
À noite, com tempo melhor, fomos para nosso idefectível giro pela orla, já em clima de despedida. No dia seguinte, logo cedo, rumo ao aeroporto.

Ricardo Freitas.
Fotos: Ricardo Freitas e Maria da Penha. Edição das fotos: Patricia Tayão.

Para reservar seu hotel no Brasil e no exterior, acesse o banner do Booking abaixo. O Booking oferece a maior rede hoteleira, com cancelamento gratuito e com avaliações de quem realmente se hospedou em seus hotéis.




  1. Adorei seus comentários. Escreve bem, torna a leitura suave e divertida.

    ResponderExcluir
  2. Olá moçada. Conheci as praias maravilhosas da Paraíba. Fiz um passeio de Buggy inesquecível em lugares que não carros não chegam. Sem contar com paisagens inesquecíveis, e lugares quase que inexploráveis.

    ResponderExcluir
  3. Parabéns pela ótima transcrição da viagem.... nota 10

    ResponderExcluir

Deixe aqui seu comentário!

Whatsapp Button works on Mobile Device only

Start typing and press Enter to search